14/05/2020

CAÍQUES SHOES

E o Upcycling com afeto

A live com a Caíques foi pautada no sentimento. Afinal, se tem uma coisa que essa marca tem de sobra, é amor. O afeto que envolve o negócio é o grande diferencial que cativa pessoas de todo o Brasil. A Iasmine, uma das pessoas responsáveis pela marca, me cativou.

Tudo começou lá em 1982, com a vontade de viver uma vida mais simples na serra. Depois de aprender a fazer sapatos com seu sogro Adhemar, o fundador Caíque Bon (pai da Iasmine) começou a elaborar alguns designs em seu pequeno atelier.

 O simples sonho em breve resultou em algo mais: um chamado artístico. E assim, com apenas uma pessoa em um pequeno atelier em São Pedro da Serra - RJ, Brasil, nasceram os CAÍQUES

undefined

Caíque aperfeiçoou a técnica e buscou materiais que unissem conforto, durabilidade, design e sustentabilidade. 

Os CAÍQUES são feitos como arte, por mãos para os seus pés, através de um processo consciente.


Eles são a prova de que calçados e sustentabilidade podem andar lado a lado
. É por isso que produzem sapatos artesanais de uma forma consciente, reutilizando retalhos de couro que as grandes empresas deixam para trás e reaproveitando pneu de avião, que nas nossas mãos dos caíques viram solados que vão durar uma vida inteira.


Em média, a produção de um par de sapatos emite mais de 10 Kg de dióxido de carbono na atmosfera, e mais de 15 bilhões de sapatos são produzidos a cada ano.

Felizmente, os Caíques não são parte desses 15 bilhões. As únicas máquinas que usam são a de costura e uma lixadeira para dar acabamentos. Todos os outros processos como o corte, montagem e toques finais são feitos por mãos habilidosas capacitadas pelo Caíque.


Ao longo da nossa troca, a Iasmine ressaltava a todo o tempo o afeto por trás de cada produto. “Não pensávamos sobre sermos uma marca sustentável. Isso sempre foi algo nato, obrigatório, da nossa essência. Simplesmente não teria como ter sido diferente. Depois que, entendendo mais sobre sustentabilidade, percebemos a importância do nosso processo e que deveríamos informar as pessoas sobre ele.”

Vida longa a vocês, Iasmine! E que fique o aprendizado: podemos conquistar tudo aquilo que queremos com muito trabalho e amor pelo processo. Encontre algo que você ame e acredite. E mais: que agregue valor ao mundo.

E você? Vamos juntos nessa pegada?

Com amor, 

Isa



Por Isabela Rozental